Campina Grande, Inteligent City

Inicial       Equipe       Atrativos       Municipios Turisticos        Contato

Música: Alô Campina Grande, de Jackson do Pandeiro – Album: um nordestino Alegre.  Imagens: Campina Grande: passado, presente e futuro (canal o descobridor)

Conheça o Projeto Campina Smart City

Campina Grande: o turismo na formação de redes de cidades sustentáveis

A pesquisa apresenta a proposta que se detém a hipótese de que Campina Grande possuiu gigantesco potencial para ser incluída dentro da rede de cidades sustentáveis atribuindo isto principalmente ao turismo como grande ferramenta articuladora de viabilizar esta inclusão.

Areia
Areia se destaca devido a seu clima ameno, agregado ao seu remanescente de arquitetura colonial dando a cidade um ar simples. Além dos remanescentes de mata atlântica e experiências em comunidades rurais, através dos roteiros turísticos que expõem a história do açúcar no estado.
Clique Aqui
ARARUNA
O seu principal recurso turístico é o Parque Estadual da Pedra da Boca, no qual, se desenvolve o ecoturismo e turismo de aventura, tendo como palco o complexo geológico.
Clique Aqui
GUARABIRA
O seu principal atrativo está, pautado na religiosidade tendo no memorial Frei Damião a principal referência.
Clique Aqui
INGÁ
conhecido pelos registros rupestres presentes em suas rochas, os quais ainda despertam a curiosidade de leigos e estudiosos que na busca pelo entendimento de sua origem que variam desde teses sobre ocupações ufológicas (marcas deixadas por extraterrestres) e heranças deixadas pelos primeiros ocupantes do território paraibano.
Clique Aqui
BANANEIRAS
Caracteriza-se como um verdadeiro relicário urbano ambiental do agreste paraibano.
Clique Aqui
CABACEIRAS
Conhecida como "roliude" nordestina, é uma cidade voltada para o turismo cultural
Clique Aqui
Anterior
Próximo

PESQUISADORES

Xisto Souza Jr

Xisto Souza Jr

Líder do grupo de Pesquisas GIDs e Coordenador do Projeto Campina Grande Smart Cities

Yury Lima

Yury Lima

Pesquisador do Grupo de Pesquisas GIDs e idealizador da proposta Jardineiras e circuito turístico

Gustavo Cavalcanti

Gustavo Cavalcanti

Bolsista PIBIC e responsável pela sistematização e adequação do roteiro turístico

Gabriel Eloi

Gabriel Eloi

Bolsista CNPq (2019/2020) e responsável pela sistematização do roteiro regional

Possui uma área de 42 mil e 500 metros quadrados situada no centro de Campina Grande. Foi construído e inaugurado na administração de ex-prefeito Ronaldo Cunha Lima na década de 80. Local onde se realiza os  eventos religiosos e de festejos culturais dentro da cidade, além de ser ponto de encontro de seguimentos da sociedade como, patinadores, ciclistas, motoqueiros, etc. (Fonte: Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, 2019)

Construído por causa de uma grande seca que abateu ferozmente o Nordeste entre os anos de 1824 e 1828, o açude só foi inaugurado em 1830. Erguido no leito do antigo “riacho das piabas”, o açude serviu durante anos ao povo de Campina e da região do Compartimento da Borborema que usava de suas águas para diversos fins. Corpo Hídrico da cidade, é utilizado para atividades físicas e de contemplação devido a sua beleza paisagística. Emblemático cartão postal da cidade, reúne em seu entorno monumentos e edifícios modernos que diferenciam a cidade de Campina Grande das demais existentes.  (Texto adaptado do blog: Rainha da Borborema, 2019)

Com arquitetura projetada pelo renomado Oscar Niemeyer, o MAPP, teve obras iniciadas no ano de 2009, com conclusão no ano de 2012. Sendo um novo elemento de embelezamento da cidade, o local é um  ponto que reúne obras culturais e artísticas originárias de habitantes e artistas do estado da Paraíba. Tem o governo estadual e a  Universidade Estadual de Campina Grande como principais gestores. Constituído por três pavilhões expositores circulares, dispostos em forma de triângulo, o Museu de Arte Popular da Paraíba (MAPP) foi implantado  continua…  às margens do Açude Velho, cartão-postal de Campina Grande.(Texto adaptado, Arco Projeto, 2019).

O monumento Farra de Bodega homenageia dois ícones da música nordestina: Jackson do Pandeiro e Luiz Gonzaga. A obra é do artista campinense Joás Pereira Passos e feita de bronze. Ela foi inaugurada em 2003 e fica localizada em um girador às margens do Açude Velho. Além das esculturas dos músicos, há também uma mesa, pratos, representação de comidas típicas e um banquinho, muito usado pelos turistas para fazer fotos.(Portal G1 Paraíba)

No dia 14 de Novembro de 2014, data que passou despercebida pela imprensa, comemorou-se 140 anos da Revolta de Quebra-quilos. Movimento popular, ocorrido em 14 de Novembro de 1874, foi contra a adoção do novo sistema métrico implantado na colônia, através da Lei imperial nº 1157, de 1862, somente entrando em vigor em 1872,com a promulgação do Decreto Imperial de 18 de Setembro. O sistema trata-se do modelo métrico decimal francês, até hoje em uso no nosso cotidiano: quilo, metro, litro… Em comemoração ao fato, a prefeitura Municipal de Campina Grande inaugurou a escultura em homenagem ao Negro João Carga d’água, assentada na Praça José Lopes de Andrade, recentemente recuperada pela administração pública, sob cuidados e manutenção da FIEP(. (Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, 2019)

Inaugurado no centenário de Campina Grande, no ano de 1964, o monumento ‘Os Pioneiros da Borborema’ virou ponto turístico do município. Instaladas às margens do Açude Velho, as estátuas foram trazidas do Rio de Janeiro e apresentam três figuras que ajudaram a criar a cidade. O índio representa o início de tudo. A catadora de algodão faz referência à ‘Era de Ouro’ de Campina Grande, quando o município se tornou o segundo maior exportador de algodão do mundo. E o tropeiro presta homenagem à vocação comerciária da cidade. (Portal G1 Paraíba).

O Açude Novo foi construído em 1830 com o objetivo de abastecer a população de Campina de água potável devido às secas que assolavam a região. Ele foi o segundo construído na cidade. Em 1976, foi transformado em parque pelo então Prefeito Evaldo Cruz, que lhe deu o nome de Parque do Açude Novo. Após a sua morte, em 1985, a área de lazer passou a ser chamada de Parque Evaldo Cruz, uma homenagem póstuma a seu idealizador. Hoje é outra área verde da cidade, sendo representado por um obelisco, definido como marco zero urbano da cidade. (Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, 2016.

Conteúdo da alternância

Inicialmente sendo o local da cadeia pública da cidade, o museu histórico e geográfico de Campina Grande, também foi também o telégrafo da cidade. Inaugurado em 13 de janeiro de 1896, o telegrafo campinense oferecia um serviço precário e irregular. O sistema de cabos interligava apenas alguns pontos do Estado que por sua vez registrava poucas agências. O museu está localizado no centro da cidade, trazendo objetos, textos, produções artísticas, que foram preservados desde os primórdios da ocupação, criação e crescimento da cidade. (Retalhos Históricos de Campina Grande 2019

A primeira estação ferroviária de Campina Grande foi inaugurada em 1907, pela companhia férrea inglesa Great Western, como intento do então prefeito Cristiano Lauritzen, transformando nossa cidade no terminal da linha.Seu primeiro trecho, entregue em 02 de Outubro de 1907, interligava Campina Grande à linha Recife-Natal. Até a década de 40, a Estação Velha, como é conhecida hoje, foi o ponto de destaque no desenvolvimento econômico e cultural campinense. O transporte de produtos para outros portos do Brasil produzia um tráfego intenso de novidades e riquezas que aportavam influência na vida dos habitantes da região. Local histórico de Campina Grande, foi a principal estação ferroviária da cidade no século XIX, e atualmente comporta o museu do algodão, produto que caracterizou o crescimento econômico, político e social da cidade. (Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, 2019).

Conteúdo da alternância

Construída em 1938 pelo prefeito Bento Figueiredo, com o nome original de Praça Índios Carirys. Na década de 1940, durante a reforma urbana do prefeito Wergniaud Wanderley, a Praça da Bandeira, assim como todo o centro de Campina Grande foi outra vez reformada ganhando o elegante estilo art-decor, com o lago em meia-lua e a famosa estátua “A Samaritana”, em art-decor legítimo, do artista Abelardo da Hora. Em 1985, no governo do prefeito Ronaldo Cunha Lima, a Praça da Bandeira, o famoso coração cívico e “caixa de ressonância” da cidade de Campina Grande, sofreu a sua maior reforma mudando totalmente seu aspecto arquitetônico: reforma total do piso, mudança de todos os bancos, retirada da estátua da Samaritana que nunca mais voltou, aterro do lago em meia-lua, construção de novos canteiros. Principal praça da cidade, é ponto de encontro de moradores. No ano de 2016 passou por uma nova reforma de revitalização e urbanização. (Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, 2019)

A Praça Clementino Procópio foi inaugurada no ano de 1936, como assim noticiou ‘A União’, em 04 de Fevereiro daquele ano: Uma das praças de Campina Grande, que remonta a história da cidade com seus monumentos, a exemplo, a homenagem efetuada a Teodósio de Oliveira Lêdo, conhecido como o fundador da cidade. (Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, 2019)

Fundado em 1993, no Dia das Crianças, o Parque da Criança tem 6.700 m², com pista de 1 km pra caminhada, rampa de skate, parque com escorregas, balanços e outras estruturas para crianças, além de áreas gramadas, campos de futebol de areia, vôlei, quadras, pistas de bicicross. Sendo o principal local de caráter natural (área verde) dentro da cidade, é um espaço para a promoção da saúde e do lazer. (Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, 2019)

Conteúdo da alternância

Inaugurado em 15 de Dezembro de 2018 A obra contempla calçadas, ciclovias, estacionamentos, quiosques de alimentação, quadras poliesportivas, um anfiteatro com capacidade para 450 pessoas, espelho d´água,  pista de skate, área de Patinação, UPS e 2 quiosques com banheiros Públicos; Além disso um Largo de Acesso e da Praça Infantil/Idosos e academia de ginástica pública.(Texto adaptado Portal G1 Paraíba, 2019).

Conteúdo da alternância

O Teatro foi inaugurado no dia 30 de novembro de 1963, às 10 horas da manhã. Foi construído por Severino Bezerra Cabral, prefeito de Campina que lhe deu nome. Teve Austro de França Costa como engenheiro que projetou junto com seus colaboradores essa grande obra.No mesmo dia, apresentou-se o ator e humorista José Vasconcelos, bastante conhecido no rádio e da TV brasileira. Com a inauguração do Teatro Municipal, a região ganhou uma importante casa de espetáculos. (Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, 2019)

Inaugurada na década de 1960, Estação Rodoviária Cristiano Lauritzen, idealizada na segunda gestão do prefeito Elpídio de Almeida. Através de contrato firmado com a empresa ENAC – Empresa Nacional de Mercados Ltda, em maio de 1958, continua…   deveria ser construída em uma área de 4.307m² uma plataforma de embarque aliada a 140 boxes comerciais que, para os padrões da época, seria considerado um dos maiores centros comerciais do país. Considerada histórica, ainda é ponto de apoio para acesso a outros municípios do estado da Paraíba. (Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, 2019).

Inaugurada em 22 de dezembro de 2010, constituindo-se num espaço destinado à comercialização de produtos artesanais, o local destinado a venda de produtos de caráter artesanal, produzidos pelas mãos dos artesãos do município de Campina Grande.  Com 77 chalés que expõem trabalhos com couro, barro, fios, madeira, algodão colorido, pedra, tijolo, tecidos, além de inúmeros artigos autossustentáveis. (Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, 2019)

Primeira igreja católica que acompanha o crescimento da cidade desde os tropeiros da Borborema, é a igreja matriz da cidade. Segundo apresentado em seu site oficial “A Matriz era uma Igreja humilde e, talvez, uma das menores da Diocese de Olinda. Desta feita, em 1885, iniciou-se uma reforma por iniciativa do Vigário Sales cuja conclusão se deu apenas dois anos mais tarde, em 1887. Uma das torres da Matriz tem a parte superior sem agulha e diferente da torre do outro lado, dando a impressão de ser uma construção inacabada. Registrou-se que esta torre sem agulha foi propositalmente construída para nela serem hasteadas as bandeiras da Imaculada e dos Santos.”(Texto adaptado do site oficial da igreja, 2019)

Conteúdo da alternância